Eco-Trilhos 

Inspirado no conceito dos Trilhos da Ciência ou Trilhos do Ambiente, o projeto pretende motivar para o conhecimento do território dentro e/ou próximo da escola incentivando à criação de trilhos que, através da sugestão de experiências e atividades, dêem a conhecer características ambientais e de sustentabilidade desses mesmos percursos, como por exemplo, o património natural e/ou cultural.


São objetivos deste projeto:

– incentivar o trabalho de campo e as vivências no espaço exterior;
– propor experiências e atividades ao longo do trilho, com o envolvimento da comunidade;
– explorar as temáticas do ano comunidades sustentáveis e espaços exteriores;
– desenvolver competências de investigação, trabalho colaborativo, pensamento critico e criativo, fotografia, orientação e reportagem;
– divulgar o projeto, utilizando as redes sociais e aplicações móveis de forma pedagógica.

 Trilhos Temáticos

Aconselha-se a que, na fase de preparação do projeto, sejam exploradas as vivências dos alunos e família e aplicadas as etapas do Design Thinking:
Feel, Imagine, Create and Share.

 

 Projeto trilhos passo-a-passo

O projeto deverá ser preparado em sala de aula através da exploração do google maps e da aplicação wikilock (opcional).
Depois de um debate e decisão sobre o local onde vai ser traçado o trilho, é fundamental imaginar o que constará das diferentes estações ou postos.
Recomenda-se, se possível, uma ida exploratória ao local escolhido para identificação no terreno do número e localização das paragens a introduzir no trilho e o tema de cada estação ou posto.
Seguidamente, há que elaborar o conteúdo associado a cada estação: informação que vai ser colocada para o utilizador do trilho, proposta de atividade etc. Aconselha-se a realização de pesquisa documental, histórica e/ou bibliográfica, sobre os temas escolhidos.
Em alternativa, sugere-se a possibilidade dos postos poderem ser apresentados por mini-vídeos que fornecem informação, introduzem ou desafiam à realização de atividades.

GRAVAR O TRILHO NO WIKILOCK (opcional)
O resultado final do trilho pode ser apresentado na aplicação wikilock pelo que o upload de documentos para cada posto deve ser adaptado às condicionantes da aplicação. Ex: colocar um vídeo através do upload de uma imagem de q-r code ou colocando o link na legenda de uma imagem.

1ª Etapa –  Aplicação “Wikilock”

  1. Utilize um smartphone com máquina fotográfica e internet (dados) e GPS.
  2. Faça o dowload da aplicação “wikiloc”
  3. Registe-se
  4. Confirme o seu registo através do email recebido
  5. Carregue na etapa “gravar trilho”. Notas: Deve ter o GPS ligado durante o percurso: Pode colocar a gravação em pausa nas paragens se o desejar
  6. IMPORTANTE: Dê o seguinte nome ao trilho [ Eco-Escolas; Eco-Trilho;  XXXXX (NOME DA ESCOLA)].
    Este aspeto é muito importante para que os trilhos se possam facilmente encontrar na aplicação.

 2ª Etapa – Uso da aplicação – Criar um trilho

Ao longo do trilho deverão ser criados os postos, paragens ou estações assinalados com  fotografias sobre
1- a paisagem2 fotos com orientações diferentes, integrando os vários elementos existentes, naturais e/ou humanos como a geologia, cobertura vegetal ou outras formas de ocupação do território, como o povoamento. Se mais do que uma aconselha-se diferentes orientações das fotografias (ex: este e oeste; norte e sul).

2- um detalhe que chamou a sua atenção nesse local: uma planta, um animal, uma pedra, solo, água, etc.. Pode também ser uma ameaça à sustentabilidade do local: erosão, resíduos, contaminação, objeto permanente ou testemunho de atividade humana, etc

3ª Etapa – Finalização do trilho  – Divulgar um trilho

1- Em sala, utilize um computador com internet para ver e editar o trilho que gravou. Vá a https://pt.wikiloc.com/ e faça login com o utilizador que criou no smatphone

2-  Depois de entrar procure no canto superior direito “Suas trilhas” e edite o seu trilho:

  • Retifique o nome para o formato solicitado [ Eco-Escolas; Eco-Trilho;  XXXXX [NOME DA ESCOLA].
  • Escreva no espaço da descrição informação sobre o percurso, uma memória descritiva do trilho: pontos fracos, pontos fortes, oportunidades e ameaças; ou: o que gostou mais e o que gostou menos; ou: o que já sabia e o que descobriu de novo durante o percurso. Pode também deixar algumas sugestões ou conselhos para quem venha a realizar o trilho. Incluir aqui também a identificação do(s) autores e escola.
  • Edite a legenda de cada uma das fotografias e coloque informação relevante relacionada com o que foi fotografado. Exemplo: história de um elemento fotografado; informação sobre a cobertura vegetal e biodiversidade; aspetos geológicos; ameaças detetadas, etc.. Na legenda pode colocar texto mas também colocar links para “saber mais”.
  • Grave o trilho completo e partilhe.  

Material necessário:

Para gravar o trilho no terreno: smatphone com máquina fotográfica e GPS, power bank (aconselhável).
Posteriormente: computador

Como e quando enviar os trilhos

O trilho deve conter toda a informação necessária para o compreender e concretizar, incluindo a identificação dos autores.
A escola deve inscrever-se até 20 de fevereiro no projeto na plataforma Eco-Escolas, preenchendo posteriormente também na plataforma a informação solicitada relativa ao trilho:

– memória descritiva (o que motivou a participação neste projeto, nível de envolvimento dos alunos, justificação do local escolhido para a realização do percurso, pertinência/interesse do percurso, duração e nível de dificuldade).
– tema do trilho (espaços exteriores e/ou comunidades sustentáveis)
– tipo de trilho (circular ou linear)
– extensão do percurso (em metros ou kilometros)
– n.º de postos/estações/paragens
– breve descrição dos postos/estações
– autores

 

Depois de concluído, deverá ser preenchida a informação solicitada na plataforma até 15 de maio.

Os melhores trilhos serão distinguidos com um prémio simbólico.

Eco-trilhos passam no litoral

Eco-trilhos passam pela floresta

Design thinking na educação

O design thinking consiste em quatro elementos-chave: Definir o problema, criar e considerar várias opções, refinar as direções selecionadas e executar o melhor plano de ação.

Na educação, o design thinking permite que os alunos percebam que podem criar seus próprios futuros, emprestando estruturas de outras áreas, o que lhes permite projetar sua própria participação e experiências.