Eco-Trilhos Eco-Escolas

Inspirado no conceito dos Trilhos da Ciência ou Trilhos do Ambiente e no projeto I Diverse, o projeto Eco-Trilhos Eco-Escolas pretende motivar para o conhecimento do território dentro e/ou próximo da escola incentivando à criação de trilhos que, através da sugestão de experiências e atividades, dêem a conhecer características ambientais e de sustentabilidade desses mesmos percursos, como por exemplo, o património natural e/ou cultural.


São objetivos deste projeto:

  • Incentivar o trabalho de campo e as vivências no espaço exterior indo ao encontro dos temas do ano Eco-Escolas: comunidades sustentáveis e espaços exteriores;
  • Investigar, interpretar e conhecer território da freguesia em que se insere a escola e o seu património ambiental, social e cultural;
  • Compreender a importância dos espaços verdes no ordenamento do território, na qualidade de vida da população e na mitigação da poluição;
  • Desenvolver competências de investigação, trabalho colaborativo, pensamento crítico e criativo, fotografia, ilustração, orientação e reportagem;
  • Explorar novas ferramentas de trabalho;
  • Incentivar as parcerias com as juntas de freguesia;
  • Divulgar o projeto, utilizando as redes sociais e aplicações móveis de forma pedagógica.

 Metodologia

Aconselha-se a que, na fase de preparação do projeto, sejam exploradas as vivências dos alunos e família e aplicadas as etapas do Design Thinking:
Feel, Imagine, Create and Share.

(Feel)
Solicitar aos alunos que desenhem numa folha branca um mapa com os principais pontos de interesse ambiental, social ou cultural na freguesia  (mapa mental /personal geography).
Analisar a  área onde se pretende realizar o trilho através da observação de um mapa em papel (opcional), através da exploração do google maps e da aplicação wikilock. 
Realizar, se possível, uma visita exploratória ao local escolhido para identificação no terreno do número e localização das paragens a introduzir no trilho e o tema de cada Estação.
(Imagine)
Depois de um debate e decisão sobre o local onde vai ser traçado o trilho, é fundamental imaginar o que constará das diferentes Estações. 
Aconselha-se a realização de pesquisa documental, histórica e/ou bibliográfica, sobre os temas escolhidos.
(Create)
Seguidamente, há que elaborar o conteúdo associado a cada estação: informação que vai ser colocada para o utilizador do trilho, proposta de atividade etc.
Nota: estas experiências e atividades ao longo do trilho devem sempre que possível envolver a comunidade.
Em alternativa, sugere-se a possibilidade dos postos poderem ser apresentados por mini-vídeos que fornecem informação, introduzem ou desafiam à realização de atividades.
(Share)
O trilho georeferenciado deve conter toda a informação necessária para o compreender e concretizar, incluindo a identificação dos autores.
Para divulgação e explicação do trilho sugere-se ainda a realização de um flyer / brochura explicativa que poderá depois ser partilhada com a Junta de Freguesia.
Para além da partilha nas redes sociais (wikiloc, Facebook, Instagram…) sugere-se  a realização do próprio eco-trilho convidando elementos da escola (alunos de outras turmas, professores, funcionários) e da comunidade como por exemplo encarregados de educação, funcionários, Junta de Freguesia, etc.

 

 Projeto trilhos em 8 passos
  1. Desenhar os pontos de interesse ambiental, social ou cultural na freguesia  (mapa mental /personal geography). Análise dos desenhos e debate.
  2. Escolher alguns dos pontos/temas para criar Estações com atividades (interdisciplinar). [Ficha Conteúdo da Estação].
  3. Traçar o percurso num mapa físico (em papel) da área em torno ou perto da escola.
  4. Traçar o percurso no Google Maps e/ou criar o percurso no local utilizando o Wikiloc [Ficha Google Maps]. [Ficha Wikiloc]
  5. Editar o percurso (e completar a informação geral sobre o Trilho, sobre as Estações e sobre os outros pontos de interesse)
  6. Elaborar um flyer de apresentação do Trilho [Flyer turístico exemplo (sem atividades)]
  7. Concretizar o Trilho no terreno
  8. Divulgar o Trilho

 

O que deve conter o Trilho

Os Trilhos deverão ser georreferenciados e criados na aplicação Wikiloc ou em Alternativa no Google Maps  [ver fichas Trilho Wikiloc e Trilho Google Maps].

Nota importante: para que os trilhos possam ser mais facilmente encontrados nas redes sociais é importante que  na aplicação utilizada (Wikiloc ou Google Maps) o trilho tenha seguinte designação:
 [Eco-Escolas_Eco-Trilho_ (nome da escola)]

Os Trilhos  deverão incluir paragens, denominadas Estações. Cada Estação dever-se-à referir a pontos de interesse ambiental e/ou sócio-cultural.
Cada Trilho deverá incluir pelo menos 4 Estações com sugestão de atividades e elementos informativos, podendo ser incluídas Pontos de Interesse adicionais com apenas elementos informativos (entende-se por elementos informativos curiosidades, histórias, fotografias, entre outros).
Num trilho urbano, pelo menos uma Estação deverá ter como tema os espaços verdes.
Os percursos podem ser lineares ou circulares.

 

Estações – o que incluir

Ao longo do trilho deverão ser criadas as Estações/paragens que no trilho deverão ser assinaladas com pelo menos 1 fotografia.
A fotografia ou fotografias que apresentam a Estação sugerem o tema. As imagens podem ser diversas, dependendo também do tipo de atividade que se pretende sugerir. Utilize as paragens para fotografar. Alguns exemplos:
1- a paisagemfotos com orientações diferentes, integrando os vários elementos existentes, naturais e/ou humanos como a geologia, o relevo, cobertura vegetal ou outras formas de ocupação do território: povoamento, arruamentos, circulação/mobilidade, áreas comerciais/industriais, residenciais, áreas de lazer, parques e jardins, espaços verdes, o litoral, uma praia etc..
2- um detalhe que chamou a sua atenção nesse local: um animal, uma planta, uma folha, uma espécie autóctone, uma espécie exótica, um bebedouro, um lago, um charco, um ninho, um animal, uma pedra, solo, um banco de jardim, uma estátua. Ou ainda um ecoponto, uma boca de incêndio, uma paragem de autocarro, uma parque de bicicletas, um semáforo, um monumento, um teatro, uma associação de moradores, uma pintura (arte urbana) …etc.

As estações deverão preferencialmente ter diferentes enfoques sendo os temas de cada uma das 4 Estações escolhidos pelos autores do trilho.
Nas Estações com sugestão de atividades deverão ser incluídos alguns tópicos relativos aos aspetos ambientais como por exemplo: Alterações Climáticas: Mitigação/ Adaptação; Mobilidade Sustentável, Alimentação e Agricultura Sustentável,  Solo, Natureza, Biodiversidade, Floresta, Qualidade do Ar, Ruído, Resíduos, Água, Eco-Inovação;  Energia; Governança…etc.

 

Envio dos trilhos para Concurso

Datas:
  • A escola deve inscrever-se até 20 de fevereiro no projeto na plataforma Eco-Escolas, preenchendo posteriormente também na plataforma a informação solicitada relativa ao trilho.
  • Depois de concluído o trilho, deverá ser preenchida a informação solicitada na plataforma até 15 de maio.
Elementos do trabalho:

Para enviar o trabalho a concurso serão solicitados os seguintes elementos:

  • Identificação do Trilho
    Link do percurso georreferenciado criado na aplicação Wikiloc ou GoogleMaps, com a marcação das Estações, atividades sugeridas e elementos informativos;
    – nome do Trilho [Eco-Escolas_Eco-Trilho_ (nome da escola)]
    – tipo de trilho (circular ou linear)
    – extensão do percurso (em metros ou quilómetros)
    – duração (aproximada em minutos de percurso, descontando as paragens)
    – n.º de postos/estações/paragens
    tema do trilho
    – temas das Estações (pelo menos 4)
    – autores
  • Memória descritiva (o que motivou a participação neste projeto, ano de escolaridade dos alunos e disciplinas envolvidas, nível de envolvimento dos alunos, justificação do local escolhido para a realização do percurso, pertinência/interesse do percurso).

E ainda 2 elementos opcionais, mas diferenciadores:

  • Folheto A4, promocional do percurso, em formato digital
  • Fotos/evidências da concretização do percurso por um grupo da escola ou comunidade
Prémios:

Serão premiados os 3 melhores Eco-Trilhos com:
1.º lugar: drone
2.º lugar: tablet
3.º lugar: binóculos

 

Júri e Critérios:

O júri será constituído por elementos da Comissão Nacional Eco-Escolas, ABAE e Maxone| Escola360. Os melhores trilhos serão distinguidos com um prémio simbólico.

 

Parceiros

                  

 

Design thinking na educação

O design thinking consiste em quatro elementos-chave: Definir o problema, criar e considerar várias opções, refinar as direções selecionadas e executar o melhor plano de ação.

Na educação, o design thinking permite que os alunos percebam que podem criar seus próprios futuros, emprestando estruturas de outras áreas, o que lhes permite projetar a sua própria participação e experiências.

 

Flyer | Exemplo de Flyer turístico
(nota não se trata de um trilho da Ciência nem tem atividades /estações apresenta-se apenas como sugestão de possível design de flyer de divulgação do Eco-Trilho